Seu bebê está crescendo e sempre aparece o medo: será que estou fazendo o certo?
Não existe uma fórmula perfeita para essa pergunta, mas a principal chave para a conexão com seu filho é a comunicação. Vocês, mamãe e papai, precisam sempre conversar com seu filhote. Não importa a fase em que ele esteja, com certeza a conversa irá influenciar positivamente no seu desenvolvimento. Aqui, falamos sobre as diversas formas de estimular a criança, com dicas e métodos que podem ser aplicados em casa e na escola.

O riso cura o corpo e a mente, mas também influencia no desenvolvimento dos seus filhotes. Hoje, mais do que nunca, o ditado “Sorrir é o melhor remédio” deve ser usado sem moderação. Quando sorrimos, movimentamos 12 músculos da face e nas gargalhadas usamos 24. Além de inúmeros outros benefícios ao corpo e a mente, o sorriso ainda influencia no crescimento e nos vínculos emocionais do seu filho.

Com dias agitados e corridos, até mesmo a alimentação se torna mais individualista. Costumamos comer a caminho do trabalho, em fast foods, com refeições rápidas, prontas e de forma bastante inconsciente – nos alimentamos pensando no que temos que fazer a seguir, ansiosos ou desligados, em frente ao smartphone ou à televisão, com tempo contado, sem refletir sobre ou aproveitar o sabor da comida e a mastigação.

Estamos em uma situação de crise mundial por causa da pandemia do COVID-19 e, dessa forma, também estamos sob a aplicação de medidas totalmente diferenciadas do que estávamos acostumados a viver. A situação da quarentena e o isolamento em casa não é fácil, nem pra nossa saúde física nem emocional. Embora saibamos que há profissionais na linha de frente pelos quais devemos muito respeito e zelo, somos atingidos por outros meios e precisamos lidar com as nossas próprias dificuldades, enquanto oramos a Deus para que tudo vá da melhor forma possível.

Conheça alguns dos importantes pilares para a educação do futuro

A era da tecnologia trouxe novos caminhos para a educação e a vida em sociedade. A internet passou a impactar diretamente na forma como nos relacionamos e interagimos uns com os outros e com o ambiente. Ao mesmo tempo em que muitas mudanças foram ousadas, facilitadoras e crescentes, outras são desafios para o convívio saudável e para a criação dos nossos filhotes.

Quando falamos de crianças com mau comportamento na escola, nos referimos às desatentas, que ignoram as ordens, desobedecem, possuem mau desempenho no aprendizado ou tratam mal os coleguinhas. De fato, deixar que o pequeno dê os primeiros passos já é algo bastante difícil para nós. Conversamos sobre a autonomia infantil e as dificuldades parentais em permitir que os filhotes criem asas e entendemos que, apesar de ser sempre importante que as crianças aprendam a solucionar problemas e a ter certo grau de responsabilidade, também é primordial mantermos os olhos atentos e cuidadosos aos filhotes.

Todos os dias nós nos surpreendemos com os nossos pequenos. Embora no início não entendam o mundo ao redor, suas reações são rápidas e crescentes. As novidades nunca param, as mudanças nos encantam. A trajetória da criança desde a sua dependência total até a independência se apoia nas condições familiares e sociais, principalmente da escola e do lar, os ambientes em que mais interage.

Os primeiros passos do nosso bebê são recheados de aprendizagem. Um momento único na vida, onde o universo é cheio de cores e ambientes prontos para serem explorados. Apesar dos nossos pequenos serem aventureiros em potencial, para nós, são frágeis e necessitam da nossa proteção. Essa sensação de cuidar é obviamente natural e necessária, nossos filhotes devem ser sempre acarinhados e atendidos – no entanto, fazer tudo pelo e para o seu bebê nem sempre é saudável.

Quando somos crianças, nossa alimentação serve para o crescimento do nosso corpo: a pele, os ossos, músculos, órgãos e toda a energia utilizada para correr, brincar, desenvolver-se. Justamente nessa fase em que os nutrientes são tão determinantes, também é o melhor período para formar hábitos saudáveis, já que poderão se perpetuar por toda a vida – é essa a hora de formar os costumes alimentares, gostar ou não de certos alimentos. Uma criança saudável tem muito mais chance de traçar as outras fases da vida com saúde, dado que até os sete anos o paladar se renova com facilidade, assim, com estímulo correto em parceria com a família, é possível construir uma geração de pessoas com saúde alimentar.